O historiador Antony Sutton fala do envolvimento de capitalistas americanos com o nazismo e o bolchevismo

Publico “a última aparição em público, numa entrevista filmada em1980, de um dos maiores historiadores e pesquisadores do século XX, Antony C. Sutton, na qual ele relembra parte daquilo que pôde constatar ao longo de muitos anos como pesquisador da Hoover Institution, Stanford University (mais precisamente como Research Fellow do Hoover Institute of War, Revolution and Peace) e como autor e pesquisador independente a partir de 1975”. Em poucas palavras, o que Sutton revela é que os dois maiores regimes totalitários da história humana (nazismo e comunismo), que espalharam terror no mundo e causaram a morte de milhões de pessoas foram financiados por magnatas americanos.

***

Entrevista de Antony Sutton a Stanley Monteith, 1980: “Wall Street and the Rise of Hitler”

Vídeo original: http://video.google.com/videoplay?docid=6987303668075230852#docid=6244851259954264539

Entrevistador: Dr. Stanley Monteith, Radio Liberty.

Transcrição e tradução: Henrique Dmyterko

Legendas: Antony Sutton: AS, Stanley Monteith: SM

***

Transcrição:

SM: Dr. Sutton… O senhor escreveu três séries de livros enquanto foi fellow pesquisador na Hoover Institution. O senhor poderia me explicar qual é, basicamente, o tema desses livros?

AS: Sim. A primeira série de livros, enquanto eu estava na Hoover Institution, Stanford University, trata, essencialmente, das transferências de tecnologia ocidental para a URSS. Cada um dos três livros [dessa primeira série] cobre um período de tempo, começando em 1917.

SM: Então o senhor escreveu uma segunda série sobre Wall Street…

AS: Sim, esses eram livros comerciais, no sentido de que não eram estudos acadêmicos, mas destinados ao público em geral e tratam da construção do socialismo bolchevique na Rússia, daquilo que nos EUA poderíamos chamar de socialismo do bem-estar social [welfare state] e também do nacional-socialismo de Hitler na Alemanha. Cada um dos livros examina o financiamento e a contribuição de Wall Street, de banqueiros internacionais, para o desenvolvimento dessas formas específicas de socialismo.

SM: Em suas pesquisas e análises acaba sendo revelado o que acontece em nossa sociedade. O senhor enfrentou obstáculos ou resistências para desencorajá-lo a conseguir desencavar as origens e revelar os bastidores do envolvimento dos Estados Unidos no financiamento do comunismo internacional?

AS: Sim, definitivamente… Por exemplo, quando eu estava na Hoover Institution, em 1972, eu deveria ir a Miami Beach fazer um relato diante do RNC (Comitê Nacional Republicano). Apesar de um Congressista ter entregado em mãos às agências de notícias cópias desse meu relato/testemunho, essas agências se recusaram a transmiti-lo aos jornais. Quando voltei à Califórnia, fui chamado à sala do diretor do Instituto, que me instruiu, em termos muito claros, para não mais proferir discursos tais como aquele, e que tais informações não deveriam ser tornadas públicas.

SM: E a informação era a de que estávamos fornecendo a URSS a tecnologia para desenvolvimento de seu potencial bélico…

AS: Sim… Naquela época estávamos envolvidos no Vietnã e como você sabe, os soviéticos estavam suprindo os norte-vietnamitas…

SM: Isso foi em 1972…

AS: Sim, 1972. Por exemplo, eu sabia que a fábrica de automóveis e caminhões Gorky, que a propósito, foi construída pela Ford Motor Co. … que a Fábrica Gorky, na Rússia, produz a linha de veículos GAZ [Gorkovsky Avtomobilny Zavod]… e esses veículos foram vistos na trilha Ho-Chi-Minh. Nós estávamos fornecendo equipamentos à Gorky em meio à guerra contra os norte-vietnamitas e esses caminhões estavam sendo usados para carregar munição e suprimentos destinados a matar americanos. Eu achava que aquilo era moralmente errado. Eu disse isso em Miami Beach e na Hoover Institution. E foi esse tipo de informação que foi suprimida.

SM: E o que aconteceu no que diz respeito às suas atividades na Hoover Institution?

AS: Bem… Eu não dei muita atenção às advertências. Publiquei um livro sobre o suicídio nacional, no ano seguinte, [National Suicide: Military Aid to the Soviet Union, 1973] livro que fazia um sumário da assistência militar que fornecíamos a União Soviética. Quando o livro ficou pronto, sofremos pressões para interromper a publicação… pressões feitas aos editores e a mim, pessoalmente. E eu… eu achei que não deveria mais aturar tais pressões e poucos anos depois deixei a Hoover Institution. Desde 1975, sou um autor independente sem mais nenhum tipo de ligação com a Hoover.

SM: Vamos voltar um pouquinho, aos antecedentes do financiamento da máquina de guerra alemã, a mesma contra a qual lutamos no período entre 1941 e 1945… Poderíamos começar, ante de mais nada, com o financiamento original de Hitler, entre 1922 e 1923, quando ele ainda estava fazendo esforços para atingir alguma proeminência na Alemanha?

AS: O financiamento original veio apenas em parte da Alemanha mesmo. Um dos mais importantes a assinalar, na questão desse financiamento em 1922 foi Henry Ford. De fato, mais tarde, Henry Ford recebeu uma medalha,em 1938, por seu apoio financeiro ao Partido Nazista (Nacional Socialista) quanto este ainda estava em sua fase de formação. Então, é claro, depois do fracassado putsch,em 1923, Hitler foi preso, dando início a uma nova era na ascensão de Hitler.

SM: E finalmente chegou ao poder em 1933, via processo eleitoral. E o que há a dizer sobre o financiamento das atividades eleitorais de Hitler em 1933?

AS: Isso eu pude rastrear. Na verdade, pude rastrear com precisão, nos registros de Nuremberg, uma série de recibos de transferências do Delbruck, SchicklerBank, em Berlim, transferências feitas para uma conta controlada por Rudolph Hess. Este foi o fundo usado para financiar o acesso de Hitler ao poder em março de 1933. Entre as grandes corporações que fizeram transferência para esse fundo, eu encontrei não apenas a IG Farben, o que já era bastante conhecido, mas também a filial alemã da General Electric, AEG (Allgemeine Elektrizitats Gesellschaft), na época diretamente controlada pela GE americana… também a OSRAM…

SM: E quais eram as ligações entre a OSRAM e a General Electric?

AS: A General Electric internacional tinha o controle da GE alemã (AEG) e também parte do controle acionário da OSRAM na Alemanha.

SM: Então temos a Ford e a GE ajudando a financiar a ascensão de Hitler ao poder. Havia outras grandes corporações americanas envolvidas?

AS: Sim, definitivamente. A Standard Oil através de sua parceria técnica com a IG Farben… Por exemplo, a Alemanha não poderia ter ido à guerra em 1939 sem o tetra-etil (chumbo tetra-etil). O tetra- etil é necessário para elevar a octanagem do combustível de aviação… A Alemanha não tinha meios para produzi-lo. O tetra-etil foi desenvolvido em laboratórios nos EUA e transferido para os alemães. A Standard Oil apareceu com a idéia de hidrogeinização, que foi essencial para os alemães nos anos 1930 aumentarem a qualidade de sua gasolina de aviação. Essa tecnologia foi transferida para os nazistas. E a ITT, p. ex., (International Telephone and Telegraph), estava intimamente ligada aos nazistas através do Dr. Schröder (Baron Kurt von Schröder ), que era o diretor-chefe das subsidiárias alemãs da ITT. A ITT controlava empresas que fabricavam não somente instrumentos elétricos, mas também a fábrica dos Focke-Wulf, aviões de caça.

SM: Então o que senhor está sugerindo é que corporações americanas ajudaram a financiar a indústria alemã envolvidas no aumento da capacidade bélica?

AS: Corporações americanas, apenas umas poucas delas, não muitas, financiaram Hitler através de suas subsidiárias, transferiram tecnologia, transferiram estoques de material, p.ex., o tetra-etil, antes que os alemães mesmos o produzissem cf. acordo posterior entre Alemanha e os EUA. E também financiaram… P.ex., a Standard Oil, em 1933, financiou o desenvolvimento da fabricação de gasolina na Alemanha, necessária para a II Guerra.

SM: Este é um ponto muito interessante. O senhor poderia dar uma idéia de como a Alemanha obteve petróleo para a II Guerra? Certamente não havia reservas de petróleo em território alemão.

AS: Sim, a Alemanha não tem reservas de petróleo, é um fato. Durante a II Guerra, usou combustível sintético, obtido a partir do carvão e os processos tecnológicos básicos para o desenvolvimento de combustíveis a partir do carvão vieram dos Estados Unidos, essencialmente da Standard Oil, que tinha um acordo de assistência técnica com a IG Farben. E porque a IG contribuiu com cerca de 60% do explosivos usados pela Wehrmacht, entre 40 e 50% da gasolina para a Wehrmacht e para a Luftwaffe, a força aérea alemã.

SM: E como era o entrelaçamento entre a IG Farben e a Standard Oil?

AS: O entrelaçamento era no nível técnico, na troca de patentes, e na assistência tecnológico-financeira. Havia outros laços da IG Farben com os EUA, através de subsidiárias da IG Farben nos Estados Unidos.

SM: E é verdade o que foi afirmado sobre membros do conselho diretor da Standard Oil serem também membros do conselho diretor da subsidiária americana da IG Farben?

AS: Sim… Walter Teagle é um nome que me vem à mente… mas havia vários outros.

SM: Também havia ligações da IG Farben com a Ford Motor Company…

AS: Humm… Não que eu me lembre agora.

SM: Então, basicamente, o que vemos até aqui são companhias americanas fornecendo material, tecnologia e financiamento que tornaram possível a Hitler construir a sua máquina de guerra…

AS: Sim, isto está correto.

SM: Em seu livro “Wall Street and the Rise of Hitler” o senhor fala do padrão de bombardeios aéreos aliados durante a II Guerra e sobre o fato notável e surpreendente de que certas fábricas não foram atingidas, enquanto a maioria das fábricas alemãs foi dizimada. Algumas fábricas ligadas a esses acordos já aludidos, por alguma estranha razão, escaparam aos devastadores bombardeios de saturação dos aliados.

AS: Durante a II Guerra Mundial, o setor industrial alemão de produtos e equipamentos elétricos, era, ou deveria ser um dos alvos primordiais dos bombardeios aliados. Mas na prática, as fábricas da GE alemã não foram bombardeadas. Das dez maiores fábricas, nenhuma foi bombardeada e cerca de meia dúzia de outras tiveram danos mínimos, tais como vidros quebrados, etc. Logo, o que temos aqui é um caso muito interessante: indústrias que deveriam ter sido bombardeadas, não o foram. Por outro lado, temos uma marca de propriedade de tais indústrias, o que levanta algumas suspeitas sobre o porquê de não terem sido bombardeadas.

SM: Mas no que diz respeito a fábricas de material elétrico de propriedade alemã, elas sofreram bombardeios mais pesados?

AS: Eu pesquisei sobre isso. A Siemens, p.ex., foi bombardeada, não há dúvida sobre isso. Mas esse setor industrial, e a Siemens também, não foi tão bombardeado quanto às fábricas de tanques ou de aviões, esse tipo de coisas.

SM: Antes o senhor mencionou uma instalação industrial em Colônia. Esse era um alvo militar prioritário?

AS: A fábrica da Ford em Colônia [Alemanha] deveria ter sido um alvo militar prioritário. P.ex. a RAF (Royal Air Force) bombardeou a fábrica da Ford em Poissy, na França, mas a fábrica da Ford em Colônia, de longe a maior de todas, não foi bombardeada.

SM: Mas os planejadores militares pretendiam bombardear essas fábricas. Ou elas não estavam nos relatórios de alvos?

AS: Bem… Eu vi os relatórios de alvos em Colônia. A existência das fábricas da Ford lá era bem conhecida; eles sabiam que essas fábricas estavam produzindo equipamentos para a Wehrmacht, mas não a bombardearam. Ela estava na lista de alvos designados, mas não foi atingida.

SM: Então, em algum ponto ao longo da linha de comando e planejamento alguém apagou o nome da Ford em Colônia como alvo, enquanto a cidade de Colônia foi totalmente destruída.

AS: Colônia foi destruída, assim como muitas outras cidades na Alemanha foram destruídas. Mas em algum lugar da linha de comando… bem, algo aconteceu. Eu suspeito que isso se deu nos comitês de designação de alvos. E sem dúvida, ordens foram emitidas para não bombardear determinados alvos, ainda que esses fossem alvos militares vitais.

SM: Isso, de alguma maneira, faz lembrar a Guerra da Coreia e Guerra do Vietnã, quando alvos importantes no campo inimigo foram também deixados intocados pelos bombardeios estratégicos.

AS: Eu concordo que isso aconteceu, mas não investiguei o assunto.

SM: Em seu livro “Wall Street and the Rise of Hitler” há uma seção muito interessante a respeito de um fundo especial em nome de Heinrich Himmler. O fluxo de dinheiro para esse fundo, que se estendeu até 1943, 1944, envolvia empresas alemãs fortemente ligadas a empresas americanas e às suas matrizes americanas.O senhor poderia nos falar um pouco a respeito do Fundo Keppler?

AS: O Fundo Keppler, também conhecido como Control S Fund (?), e era o que poderíamos chamar de fundo de reserva pessoal de Heinrich Himmler; ele o usava para seus projetos pessoais… e o que me deixou espantado foi que em 1933 e em 1944, os anos cujos arquivos desse fundo eu pesquisei, mais da metade do dinheiro para esse fundo proveio de corporações americanas. P.ex., em 1933 , a ITT, a Standard Oil, GE e possivelmente a OSRAM, foram contribuintes desse fundo. Até mesmo em 1944, durante a II Guerra Mundial, a ITT estava financiando Heinrich Himmler através de Schröder [Barão Kurt von Schröder ], que era o diretor-chefe das subsidiárias alemãs da ITT. Também descobri que a DAPAG (Deutsche-Amerikanische Petroleum AG), a subsidiária da Standard Oil na Alemanha, também estava financiando Himmler. E isso durante a II Guerra!

SM: Algum desses fatos veio à tona durante as audiências do tribunal de Nuremberg?

AS: Não. Nenhum veio à tona em Nuremberg, ainda que os documentos existam nos arquivos, mas eles não foram publicados.

SM: E o senhor teve acesso direto a esses arquivos?

AS: Sim. Há cerca de quatrocentas toneladas (400 t) disponíveis desses arquivos e muitos deles estão na Hoover Institution, ou cópias de tais documentos, e é por isso que eu os encontrei.

SM: Eu acho que esse é um episódio trágico da história americana, quando o público não percebe as íntimas relações de grandes corporações americanas com o financiamento do nacional-socialismo alemão (nazismo). Agora, eu gostaria de falar um pouco a respeito dos julgamentos de Nuremberg, pois durante esses julgamentos, os nazistas, os generais alemães, os criminosos de guerra alemães foram considerados culpados diante das provas. Algum americano foi indiciado ou condenado em função desse financiamento?

AS: Definitivamente, não! Eu estudei os critérios de definição de “crimes de guerra” segundo o Tribunal de Nuremberg e eu não tenho dúvida de que determinados americanos se encaixavam nos critérios que determinavam o indiciamento por crimes de guerra, mas nenhum deles foi a julgamento.

SM: O senhor acha que houve um esforço consciente para ocultar esses fatos do Tribunal de Nuremberg e do público americano?

AS: Houve tal esforço, uma vez que esses homens de negócios americanos foram muito assertivos ao dizer, em 1946, que não tinham o menor conhecimento sobre o que Hitler estava fazendo. E, no entanto, estavam intimamente ligados ao rearmamento promovido por Hitler. Eu creio que isso não foi publicado pelos jornais da época, mas eu não verifiquei esse detalhe. Mas certamente, nada foi publicado sobre o papel de corporações americanas e de executivos americanos na ajuda a Hitler.

SM: E sobe o financiamento, sobre os empréstimos de grandes bancos americanos e britânicos feitos ao governo de Hitler no período entre 1933 e 1939, quando ele estava se preparando para a guerra?

AS: Bem, é preciso recuar um pouco mais no tempo e dar uma olhada nos chamados empréstimos Young, que eu considero muito importantes, pois do meu ponto de vista, tais empréstimos levaram ao colapso financeiro da Alemanha em 1933.

SM: Esse era o Plano Young (1928)…

AS: Sim, Owen Young, que a propósito, era o presidente do conselho de administração da General Electric. Young atuou como o representante do governo dos EUA nesse plano que levou ao colapso financeiro alemão em 1933, que por sua vez, permitiu a ascensão de Hitler. E subsequentemente, a partir de 1933, há uma série de outros empréstimos. Um bom exemplo é o empréstimo da Standard Oil à Alemanha, no valor de vários milhões de dólares, para construir as instalações alemãs de produção de combustível de aviação. E há outros exemplos.

SM: Bem, eu agora gostaria de entrar no tema do financiamento do bolchevismo, porque eu acho que isso é de importância vital. Poderíamos voltar ao período logo após a 2ª revolução russa, entre outubro e novembro de 1917? O financiamento inicial do movimento de Lênin… como ele estava ligado às corporações americanas?

Houve algum envolvimento americano naquele período entre 1917 e 1918, quando o bolchevismo estava começando se estabelecer firmemente na Rússia?

AS: Sim, houve vários incidentes. O mais importante envolve o “Coronel” William Boyce Thompson, que era o maior acionista do Chase Bank, o atual Chase Manhattan Bank. Num dos meus livros eu publiquei a cópia de um cabograma registrando a transferência de um milhão de dólares, de Nova York a Petrogrado [São Petersburgo], em dezembro de 1917 e mais tarde, o “Coronel” Thompson declarou que esse dinheiro foi dado aos bolcheviques para ajudar a consolidar o seu poder. À época, os bolcheviques controlavam apenas Moscou e São Petersburgo. Esse é um exemplo muito significativo: fundos americanos, um milhão de dólares, transferidos através de um homem de Wall Street aos bolcheviques.

SM: E o senhor publicou esse documento em seu livro “Wall Street and the Rise of Bolshevism”?

AS: Eu publiquei duas declarações. Uma na forma de cópia do referido cabograma e outra, uma cópia do news clip da época, onde Thompson fazia a declaração acerca dessa contribuição

SM: E por que um capitalista americano, um financista americano, ajudaria o bolchevismo?

AS: A única resposta… e isso me intrigou durante anos: “Por quê?”. Pois de acordo com o senso comum, estaríamos em confronto. A única resposta a que eu pude chegar é: mercados cativos. Os Estados Unidos não queriam outro “Estado s Unidos” no mundo. Se você der uma olhada no mapa do mundo, a Rússia é duas, três vezes maior que os Estados Unidos. Imagine tudo isso se transformando num outro “Estados unidos”, num competidor. O que os EUA queriam, ou ainda, o que Wall Street queria era um mercado cativo. E é claro, o socialismo, conforme meus estudos iniciais em Stanford, o sistema socialista é incapaz de inovar; terá de importar inovações e tecnologias do Ocidente. Assim, creio que o objetivo por trás dessa ajuda era encorajar o desenvolvimento do marxismo e de outros tipos de socialismo, por que isso daria as esses banqueiros o controle do mercado mundial, um mercado cativo.

SM: No final da I Guerra Mundial, a Rússia estava devastada pela fome. Os EUA enviaram uma missão de socorro e ajuda; foi a missão Hoover. O senhor conhece os fatos que envolveram a missão Hoover?

AS: Não há dúvida de que em 1922, 1923, a Rússia estava acabada. A produção industrial russa equivalia a oito ou dez por cento da produção em 1913. As pessoas estavam morrendo de fome, centenas de milhares de pessoas. E é claro, a missão Hoover foi organizada para ajudar a Rússia, mas a maior parte dessa ajuda foi para os bolcheviques, que controlavam uma porção muito pequena da Rússia até então. Apenas uma pequena porção da ajuda foi para os “Russos Brancos” (Exército Branco) ou para o extremo oriente.

SM: E então, em 1922-23, Lênin lançou a chamada NEP (Nova Política Econômica), ou série de planos quinquenais. O senhor poderia falar a respeito dos planos quinquenais e do papel desempenhado por grandes corporações americanas e grandes corporações mundiais na construção da União Soviética?

AS: Bem, houve duas fases distintas. A NEP, iniciada em 1923 por Lênin. Eu descobri, e publiquei num trabalho em Stanford, que cada uma das indústrias russas foi reconstruída, reiniciada, por corporações estrangeiras; em sua maioria, alemãs, britânicas, francesas e americanas. Por volta de 1928, a Rússia tinha uma produção industrial quase igual ao dos níveis pré-guerra, ou seja, dos níveis de 1913. Neste ponto, a Rússia passou a pensar em termos daqueles grandiosos planos quinquenais. E em 1928 o GOZ Plan, o comitê de planejamento econômico do governo soviético, apresentou um projeto de desenvolvimento econômico quinquenal inicial, mas esse plano era tão inadequado que recorreram a corporações americanas. Assim, na realidade, os dois primeiros planos quinquenais foram arquitetados nos EUA, por corporações americanas.

SM: E quais eram essas corporações, especificamente?

AS: O projeto do primeiro plano quinquenal foi feito por uma empresa provavelmente muito pouco conhecida do público americano, a firma de arquitetura industrial de Albert Kahn. Albert Kahn era o principal arquiteto industrial nos EUA. Foi a firma dele que estabeleceu os conceitos básicos do primeiro plano quinquenal. E então, nós encontramos, mais uma vez, as mesmas corporações, agora envolvidas na construção de fábricas na União Soviética: a General Electric internacional, Du Pont, Ford Motor Co., Hercules Motor, Cutiss-Wright [motores de aviões] e algumas outras cujos nomes já estão esquecido hoje: Vultee Aircraft e Chance-Vault Aeoronautical. Então, companhias americanas entraram em cena, construíram o primeiro plano quinquenal, mas o mais importante é que os soviéticos então copiaram esses planos e isso dá conta do enorme aumento da produção industrial. Os soviéticos pegaram esses equipamentos iniciais e os copiaram, às centenas.

SM: E quanto à Ford Motor Co.? Qual o seu papel nisso? Foi importante?

AS: Certamente. A Ford construiu a fábrica Gorky. A Gorky produz a série de veículos GAZ [Gorkovsky Avtomobilny Zavod]; são caminhões e automóveis. E logo no início dos anos 1930 você vê que a GAZ tinha potencial militar e a Ford sabia disso quando construiu a fábrica Gorky e nós sabemos disso porque eu encontrei declarações a esse respeito nos arquivos do Departamento de Estado.

SM: Às vezes ouvimos o nome de Averell Harriman. Ele teve um papel na construção da tecnologia soviética?

AS: Certamente. Averell Harriman voltou da União Soviética com lucros. Ele obteve a concessão das minas de manganês na Geórgia no início dos anos 1920. Ele as tornou operacionais novamente para os soviéticos.O manganês se tornou um dos principais produtos de exportação dos soviéticos. Com a exportação do manganês os soviéticos obtiveram divisas que financiaram a industrialização. Em 1929, os soviéticos compraram os direitos de Averell Harriman, pagando um milhão de dólares a mais do que ele tinha investido.

SM: E quanto a Armand Hammer e a Occidental Petroleum?

AS: Armand Hammer é um exemplo muito interessante. Hammer recebeu a primeira concessão estrangeira em 1922 sobre asbesto (amianto) nos Montes Urais e ele também conduziu outros empreendimentos para os soviéticos, tais como a fabricação de canetas e lápis. Mas Armand Hammer é interessante por que seu pai, apesar de Armand ser até hoje (ano de 1980) presidente da Occidental Petroleum Corporation… seu pai era Julius Hammer, que em 1919 era o Secretário-Geral do Partido Comunista nos Estados Unidos, o que enfatiza o argumento que permeia meus livros: o de que nos níveis mais altos não há diferença entre os comunistas principais e os capitalistas principais. Eles estão entrelaçados. Você tem Armand Hammer, presidente da Occidental Petroleum, e seu pai, Secretário-Geral do PC americano em 1919.

SM: Então, basicamente, é uma tomada de poder.

AS: É uma tomada de poder [ ] e uma tomada de poder internacional.

SM: Agora… Durante a II Guerra Mundial, quando a Rússia foi praticamente destruída novamente pela forças alemãs, qual foi o papel do programa “Lend Lease” na reconstrução da capacidade industrial russa após a II Guerra?

AS: Bem, o programa “Lend Lease” (empréstimo e arrendamento) expandiu e modernizou a capacidade industrial soviética durante a II Guerra, e houve uma continuação até 1948, talvez 1949. Havia um programa supostamente destinado exclusivamente ao fornecimento de comida e material industrial,mas na verdade, e eu verifiquei os registros dos depósitos em …?… Maryland, descobri que mesmo depois da II Guerra, e isto era contrário às intenções do Congresso, acredito eu, houve uma maciça transferência de equipamentos industriais de última geração à União Soviética sob a cobertura do chamado programa Lend Lease.

SM: Em 1948 saiu um livro fascinante, de autoria do Major (George) Racey Jordan no qual ele falava da assistência americana aos comunistas no que diz respeito à sua capacidade de construir armas nucleares. O senhor teve a oportunidade de verificar se realmente fornecemos água pesada a eles, se fornecemos os recursos para que construíssem armas atômicas?

AS: Bem, como parte do trabalho que eu estava fazendo em Stanford, investiguei os documentos de embarque do programa Lend Lease. Eu peguei uma amostra desses documentos e os comparei com os dados do Major Jordan e de maneira geral, Jordan estava certo quanto a mais ou menos cinco por cento do conteúdo do embarques. O Major Jordan evidentemente fez a acusação de que tínhamos enviado material aos soviéticos em 1944-45, material que mais tarde foi usado no desenvolvimento do seu programa atômico. Não há dúvida de que ele estava correto ao afirmar que enviamos água pesada, que é essencial. Mas nós enviamos outros itens, que talvez sejam menos óbvios ao leigo. Por exemplo, enviamos tubos de alumínio, essenciais ao desenvolvimento da energia atômica… Enviamos grafite, outro componente essencial. Assim, de maneira geral e até onde pude verificar… E eu verifiquei os documentos governamentais originais do Lend Lease, o Major Jordan estava certo.

SM: À medida que os anos passam, vemos uma crescente ameaça nuclear soviética. Os soviéticos agora têm mísseis MIRV[multiple independently-targeted reentry vehicle = míssil balístico com vários alvos/várias ogivas]. O senhor poderia explicar como a União Soviética, que realmente não tinha a tecnologia necessária para desenvolver esses mísseis MIRV que hoje ameaçam as nossas cidades… Como é que eles foram capazes de desenvolver essa capacidade?

AS: Bem, para começar é preciso voltar e entender como os soviéticos foram capazes de desenvolver um foguete, a tecnologia espacial. O que eles fizeram depois da II Guerra foi… As forças americanas foram retidas por um tempo, enquanto os soviéticos ocupavam o leste da Alemanha. Eles tiraram tudo da Alemanha Oriental, levaram o que havia de mais recente na tecnologia de bombas V2 de Peenemünde e de outros lugares e a V2 se tornaram a base da tecnologia espacial soviética. Bem, se você pular o período intermediário, no início do anos 1970 os russos ainda não tinham a capacidade MIRV em seus mísseis. Em especial, eles careciam da capacidade tecnológica para produzir os rolamentos de micro-esferas de alta precisão, necessários para os sistemas de controle. Havia apenas um única empresa no mundo, a Bryant Chucking Grinder Company, capaz de fabricar as máquinas de usinagem de alta precisão que faziam as pistas para rolamento das esferas. E sem essas pistas de esferas de rolamento, não é possível produzir mísseis MIRV em quantidade. Pode fazer um, mas não em quantidade. A Bryant Chucking Grinder Company teve permissão de vender quarenta e cinco dessas máquinas aos soviéticos, numa época em que só havia trinta e três em uso nos Estados Unidos.

SM: Houve alguma objeção a isso?

AS: Eu fiz objeção naquela reunião em Miami Beach, em 1972. Outras pessoas fizeram objeções, mas esta foram sufocadas, caladas. Os maiores culpados disso foram Henry Kissinger e a administração Nixon (2º mandato). [Em tenho certeza de que isso era conhecido no DOD (Dep. de Defesa)…se eu sabia, certamente o Departamento de Defesa sabia. Mas, as objeções foram silenciadas e as informações, suprimidas.

SM: Então, mais uma vez, vemos a América contribuindo para o crescimento da capacidade militar da ameaça nuclear soviética…

AS: Bem, quando você está falando de mísseis MIRV, você está tratando de um grande salto em sua tecnologia militar. Ora, eu não sou militar, mas para mim, a habilidade de fazer isso é um avanço maciço na capacidade militar, e nós permitimos isso consciente e deliberadamente.

SM: Durante a Guerra do Vietnã, a União Soviética e os países satélites do leste europeu eram os principais fornecedores de suprimentos bélicos aos norte-vietnamitas que estavam matando rapazes americanos no Vietnã do Sul. O senhor poderia comentar sobre a nossa ajuda e comércio com a União Soviética e os países do leste europeu durante aquele período?

AS: Não há dúvida de que os soviéticos eram os principais fornecedores de equipamentos e suprimentos militares aos norte-vietnamitas. Deixe-me dar-lhe um exemplo: Os pilotos americanos, enquanto voavam sobre a Trilha Ho-Chi-Minh, descreveram os caminhões que viam como caminhões americanos. Bem, eles eram americanos, uma vez que vieram da fábrica Gorky e essa fábrica foi construída por Henry Ford. Então, você tem uma situação onde nós estávamos fornecendo para os dois lados na Guerra do Vietnã.

SM: Se os caminhões estavam sendo fabricados na União Soviética, eles receberam algum equipamento americano para fabricá-los?

AS: Sim. Especificamente no início dos anos 1970, tomei conhecimento de embarques de equipamentos para a fábrica Gorky enquanto a guerra transcorria, os quais permitiram que os soviéticos produzissem mais caminhões a serem utilizados pelos norte-vietnamitas.

SM: E quanto a empréstimos? Os Estados Unidos estavam concedendo empréstimos aos soviéticos durante esse período em que eles eram os principais financiadores dos norte-vietnamitas?

AS: Sim. Começando por volta de 1970, houve uma enorme concessão de empréstimos à União Soviética. Em 1976, tais empréstimos totalizavam talvez 40 (quarenta) bilhões de dólares. Um valor extraordinário.Obviamente, tais empréstimos permitiram que a União Soviética adquirisse equipamento industriais dos Estados Unidos. Em parte, esse equipamento industrial foi usado para produzir suprimentos militares usados contra nós no Vietnã.

SM: E quanto à marinha mercante russa no transporte de suprimentos ao Vietnã do Norte?

AS: As remessas pela marinha mercante russa são exemplos muitos interessantes porque a frota russa, umas seis mil embarcações…e eu analisei cada um desses navios: a origem da tecnologia do navio em si, a capacidade de carga e os motores. A maioria era equipada com motores diesel marítimos. Eu descobri que sessenta por cento da marinha mercante soviética, que obviamente tem utilidade militar, foi construída em estaleiros estrangeiros, e quarenta por cento na União Soviética, mas basicamente usando projetos ocidentais .Agora, quando você trata de motores diesel marítimos, você descobre algo realmente fascinante. Você descobre que oitenta por cento dos motores diesel da frota mercante soviética são ocidentais : Bermeister&Wein, de Copenhague, Sulzer, da Suíça, FIAT, da Itália…esse nome já veio à tona anteriormente. Mas os outros vinte por cento dos motores diesel da frota mercante russa foram fabricados de acordo com projetos ocidentais e acordos de assistência técnica com a Sulzer e a Bermeister&Wein. Portanto, para qualquer efeito, não haveria marinha mercante russa sem a assistência do Ocidente.

SM: E quanto à construção da fábrica do Rio Kama (tributário do rio Volga, Rússia)?

AS: A fábrica do Rio Kama foi construída entre o final dos anos 1960 e o início dos anos 1970. O projeto básico foi entregue à italiana FIAT. Giovanni (Gianni) Agnelli é o presidente da empresa. Isso é importante, por que Agnelli tem ligações com o Chase Manhattan Bank. Ele está no International Advisory Committee (IAC) do Chase Manhattan (Rockefeller) O que chamou minha atenção foi o fato de que a FIAT não produz equipamentos para a fabricação/montagem de automóveis. Todas as fábricas da FIAT na Itália usam máquinas e equipamentos americanos. O que eu descobri foi que 60-70 por cento dos equipamentos da fábrica do Rio Kama vieram dos Estados Unidos, dos principais fornecedores de máquinas para a indústria automobilística nos Estados Unidos.Eu penso que a fábrica ser conhecida como sendo da FIAT foi talvez um disfarce para desviar a atenção do fato de que, durante a Guerra do Vietnã, estávamos construindo a maior fábrica de caminhões do mundo, cobrindo uma área de 36 milhas quadradas (aprox. 93 km²) .Nós estávamos construindo para os soviéticos, com equipamento americano, a maior fábrica do mundo e esta levava o nome da FIAT. Então eu acho que foi uma fachada.

SM:Então eles estavam fabricando seus caminhões, veículos blindados de transporte de pessoal e outros coisa que poderiam ser usadas na guerra no Vietnã do Sul?

AS: Nós sabíamos que a fábrica em Kama tinha potencial militar e em 1972 eu escrevi “National Suicide [Suicídio Nacional]”. Eu disse basicamente o mesmo em Miami Beach em 1972: essa fábrica tem potencial militar, pode produzir veículos militares. Sabíamos disso. E é claro, hoje [ano 1980], no Afeganistão, os veículos produzidos por essa fábrica construída por companhias americanas e italianas estão lá.

SM: E foi depois que senhor apresentou essas informações que surgiram pressões para a supressão de seu livro “National Suicide” e também de outros estudo seus?

AS: Sim, sim. Porque eu revelava o fato de que a fábrica do Rio Kama tinha potencial militar, que estávamos capacitando os mísseis soviéticos com tecnologia MIRV ao vender-lhes máquinas da Bryant Chucking Grinder Company, e é claro, outros fatos correlacionados.

SM: E que tipo de pressão foi feita sobre o senhor e sobre a editora de seu livro “National Suicide”?

AS: A pressão sobre a editora foi para evitar a publicação. A editora se recusou a fazer isso. A pressão sobre mim, primeiramente, foi no sentido de desistir da publicação. E então, um tipo bastante fraudulento de pressão. Na Hoover Institution que eu havia plagiado o volume 3 da minha série sobre tecnologia ocidental, que estava sendo publicada pela Stanford University. Bem, primeiramente, eu os desafiei a apontar o plágio e ninguém foi capaz de encontrar nem sequer duas frases plagiadas… Então eu ressaltei que eu não poderia plagiar o meu próprio trabalho. Eu sou detentor do copyright de ambos os livros, logo não haveria maneira de plagiar a mim mesmo… É uma impossibilidade lógica. Então, a pressão foi gradualmente crescendo nos ano seguintes no sentido de que minhas pesquisas estavam caminhando num sentido…que talvez, não fosse requerido, ou bem-vindo, na falta de termo melhor e que deveria se restringir a limites mais estreitos . Nesse ponto, em 1975 eu deixei a Hoover Institution e me tornei um pesquisador independente, com liberdade para publicar o que eu quiser.

SM: O senhor soube de outras situações de esforços para suprimir publicações de livros na Hoover Institution?

AS: Eu sei de um exemplo, como qual eu tinha bastante familiaridade, e trata-se do livro de Julius Espstein sobre a “Operation Keelhaul”, um livro muito importante sobre o tratamento dados a prisioneiros de guerra russos na Alemanha logo após a II Guerra. Esse livro ficou em manuscrito por vários anos e sua publicação não foi permitida. Eu soube disso em primeira mão do próprio Julius.

SM: Certo. No final das contas acabou sendo publicado…

AS: Foi, mais tarde foi publicado.Outro exemplo que posso dar é da minha própria série sobre tecnologia ocidental. O terceiro volume foi mantido no prelo por um ano. Ora, custa muito dinheiro manter um livro parado no prelo, pois você quer recuperar o dinheiro investido. Esse livro ficou parado por um ano porque não era politicamente aceitável naquela época, apesar de ser um livro acadêmico.

SM: Então o senhor fez estudos fascinantes sobre a Comissão Trilateral. O senhor poderia nos falar a respeito da Comissão Trilateral?

AS: A Comissão Trilateral é uma organização privada, fundada por David Rockefeller em 1973. Era financiada principalmente por Rockefeller e algumas outras fundações… a [Charles F.] Kettering Foundation, a … (?) Foundation, a Ford Foundation. A Ford Foundation era uma das maiores contribuidoras. E o objetivo declarado era encorajar a discussão entre o que eles chamavam de regiões trilaterais: eu devo ressaltar que dos trezentos membros da comissão, um terço vinha dos Estados Unidos, um terço do Japão e um terço da Europa. Mas na verdade, eu descobri que as ações da Comissão Trilateral têm muito mais a ver com os interesses da comunidade de banqueiros internacionais em Nova York.

SM: No que diz respeito à influência da Comissão Trilateral sobre o governo americano, tem sido dito que houve excessiva participação de membros da Comissão no gabinete [ministério] de Jimmy Carter e na administração de Jimmy Carter.

AS: Bem, “excessiva participação” é um eufemismo, penso eu… Há cerca de duzentos milhões de habitantes nos EUA [ano de 1980]; da Comissão, setenta e sete membros são americanos, e destes, nada menos que dezoito faziam parte do governo Carter. O próprio Presidente Carter era membro da Comissão Trilateral, além dos Srs. Walter Mondale [vice-presidente], Harold Brown, Cyrus Vance, Michael Blumenthal… Brown era o Secretário da Defesa. Em outras palavras, ocuparam todos os postos-chave do gabinete e também de importantes comitês do governo; os de inteligência e defesa, p.ex., totalmente compostos por “trilaterals”. Então você tem setenta e sete americanos selecionados por um homem, David Rockefeller, então presidente do Chase Manhattan Bank, que se tornam ocupantes dos principais cargos em Washington no governo Carter.

SM: Isso lhe sugere que nós não escolhemos nossos governantes, mas que estes são escolhidos por aqueles trabalham por trás da cena?

AS: Não há outra conclusão a tirar disso. Se você olhar para quem é candidato hoje, você tem Bush (pai), um “trilateral”, Anderson, “trilateral”, Carter…

SM: Há artigos nas revistas Newsweek,TIME, US News &World Report,… muitos na grande mídia nos dizendo que não realmente há nada a se preocupar com a Comissão Trilateral. Há alguma interligação entre a Comissão Trilateral e a grande mídia nos Estados Unidos?

AS: Sim, há uma interligação, particularmente na mídia de notícias, p.ex., no Chicago Sun Times, o editor-executivo James F. Hoge é um “trilateral”. Também Saul Linel (?) editor da revista TIME,..Henry Schut (?), um diretor da CBS. Então, definitivamente sim, há ligação entre a Comissão Trilateral e a mídia.

SM: Então talvez por isso minimizem a influência da Comissão Trilateral no atual governo americano.

AS: Através de um computador cheguei ao número total de artigos publicados sobre a Comissão Trilateral desde 1973, no mundo todo; e o número é de apenas setenta e três artigos.

SM: Qual a relação entre a Comissão Trilateral e o CFR (Council on Foreign Relations)?

AS: Bem, o CFR é uma organização muito mais antiga, fundada em 1920. Eu fiz um estudo sobre os membros da Comissão e do CFR e há uma sobreposição de aproximadamente cinquenta por cento.

CORTE

LEGENDA FINAL: Esta entrevista e outras entrevistas a Stanley Monteith foram filmadas no verão de 1980. Pouco depois disso, o Professor Sutton não mais esteve disponível para aparições públicas.

Fonte: http://www.midiaamais.com.br

Publicado originalmente com o título: Antony Sutton: Um homem que pagou o preço da verdade

Transcrição e tradução: Henrique Dmyterko


Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: