Guerrilheiros das Farc treinam militantes do MST

(Maria Clara Prates, enviada especial/Estado de Minas, 30/10/2005)

Pindoty Porã e Salto de Guayrá (Paraguai) – A presença do grupo guerrilheiro colombiano Forças Armadas Revolucionárias (Farc) no Brasil não se restringe hoje apenas à montagem de bases estratégicas para o tráfico de drogas e armas. As ações das Farc incluem o treinamento de criminosos e líderes de movimentos sociais, entre eles o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), que tem ligações com o Partido dos Trabalhadores. Os centros estão montados estrategicamente na fronteira entre Brasil e Paraguai. Relatórios sigilosos de posse de autoridades brasileiras e paraguaias registram a ocorrência de pelo menos três cursos sobre técnicas de guerrilha destinados a brasileiros, realizados este ano – maio, julho e agosto – na região de Pindoty Porã, departamento de Canindeyú, no Paraguai, cidade na fronteira com o Mato Grosso do Sul e o Paraná. Pelo menos um desses cursos, sobre técnicas de primeiro socorros e contra-informação, que aconteceu entre 22 e 24 de julho último, teve como público alvo integrantes do MST dos estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Paraná.

Sob a batuta dos mesmos instrutores colombianos, o último treinamento, que aconteceu em 29 de agosto, foi destinado a integrantes de quadrilhas, responsáveis pela segurança de pontos de distribuição de drogas em São Paulo e Rio de Janeiro, no qual foram repassadas aos alunos brasileiros, ações para guerrilha urbana. A escolha da região de Pindoty Porã, não foi aleatória. O local vem sendo usado, há pelo menos dois anos, como ponto estratégico para o tráfico de maconha, cocaína e armas, que prospera com a conivência de autoridades paraguaias e também sobre a fragilidade da legislação do país vizinho.

De acordo com levantamentos dos serviços de inteligência, os treinamentos são realizados em uma fazenda, aparentemente destinada à criação de gado, a qual só se tem acesso por terra, através de precárias estradas vicinais com inúmeras possibilidades de acesso, somente para aqueles que conhecem a região. Uma grande reserva de mata de cerrado protegida pelo Banco Mundial torna ainda mais difícil o acesso e o patrulhamento eficiente da região. No local, está instalado um posto do Exército paraguaio, mas tem aparência do mais absoluto abandono, apesar das negativas dos moradores. Pistas de pouso clandestinas também cortam toda a área. No período de capacitação dos supostos trabalhadores sem-terra, o tempo ruim, com chuvas e baixíssimas temperaturas, comprometeu os exercícios externos e todo o curso aconteceu nas salas de aula.

Os relatórios trocados entre os dois países não só confirmam a existência dos centros de treinamento na região fronteiriça do Brasil com o Paraguai. Vão mais longe: garantem que existe um grande interesse das Farc em instrumentalizar os brasileiros, que nos últimos anos têm sido parceiros da guerrilha nas atividades ilícitas como o tráfico de drogas e de armas. Eles confirmam também que os cursos ministrados pelas Farc são destinados a entidades civis organizadas e citam nominalmente o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra. De acordo com o documento, existem fartas informações sobre os instrutores dos treinamentos, que se escondem sob o manto dos codinomes.

Um dos colombianos é descrito como um homem que tem pleno domínio da língua portuguesa, mas não consegue esconder o seu forte sotaque. É especialista em guerrilha rural e ideologia política, além de ser preferência para manejar explosivos e pistola 9mm e ser um expert em artes marciais. Segundo os relatos, ele é uma pessoa muito conhecida na fronteira e transita com desenvoltura por toda a região. Os serviços de inteligência do Brasil e do Paraguai agora abraçam o desafio de conseguir sua verdadeira identidade e, a partir disso, chegar ao restante do grupo. Na verdade, pode haver mudança de professores conforme a técnica a ser repassada e o público a ser capacitado.

Fonte: http://www.lojasmaconicas.com.br/politica/farcs.htm

Anúncios

  1. O PT financia as invasões em propriedades agrícolas produtivas através do repasse de dinheiro público a ONGs ligadas ao MST.

  2. O que mais querem para acreditar que as farc tem ligação com o PT. oRA, SE O MST tem, é evidente que o PT tb tem estreita relação com os narcoterroristas colombianos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: